Imprimir

Internacionalização: Assessorias do IF Sudeste MG e do CEFET-MG iniciam parceria

Internacionalização: Assessorias do IF Sudeste MG e do CEFET-MG iniciam parceria

Na última quinta-feira, 25, as Assessorias de Relações Internacionais (ARI) do IF Sudeste MG e do CEFET-MG deram o primeiro passo rumo ao estabelecimento de uma parceria. Natália Tosatti, Assessora de Relações Internacionais do CEFET MG, visitou a Reitoria. Daniel Augusto de Oliveira, Assessor do IF Sudeste MG, afirmou que o objetivo da visita de Natália, além da troca de experiências, é desenvolver estratégias de cooperação entre as instituições. Tal cooperação, explica Daniel, visa a institucionalização de políticas de ensino de português brasileiro para estrangeiros e o fortalecimento da internacionalização dentro das duas instituições.

Natália destacou a importância do trabalho em rede: “O CEFET e o IF Sudeste MG são instituições verticalizadas, de ensino público e de qualidade, e estamos no mesmo estado, portanto, é natural, e importante, trabalharmos em rede”, avalia ela.

A assessora destacou alguns objetivos, para os quais as assessorias pretendem discutir e firmar estratégias de trabalho em rede:  “Devemos pensar em intercâmbios para capacitação de professores, na construção de parcerias internacionais efetivas e no trabalho em conjunto para aumentar e potencializar a atuação da internacionalização dentro das nossas instituições”, apontou Natália.

Desafios

Para Daniel, o maior desafio da ARI do IF Sudeste MG é institucionalizar estratégias de integração da Assessoria aos três eixos finalísticos da instituição (ensino, pesquisa e extensão): “Eu arriscaria dizer que as relações internacionais seriam um quarto eixo finalístico, ainda que transversal aos outros três”, avalia Daniel.

Além disso, complementa Natália, existe o desafio de trazer a comunidade interna para mais perto da internacionalização: “O servidor, o aluno ou o professor que representa a instituição em um congresso ou em um intercâmbio, está exercendo o papel de assessor internacional. Por isso, é importante que a Assessoria estreite laços com a comunidade interna e mostre como esta comunicação é decisiva”, afirma a assessora.

O Papel da Assessoria de Relações Internacionais

Segundo o assessor, a internacionalização tem papel fundamental na instituição, atuando no ensino de idiomas, na mobilidade acadêmica, na cooperação entre instituições e no desenvolvimento de sistemas de inovação. “A função da ARI vai além de organizar intercâmbios, receber e enviar estudantes a outros países. Além disso, temos o papel de transformação institucional e social”, explica Daniel.

“Por tudo isso, é muito importante que a Assessoria de Relações Internacionais integre as ações da instituição, denunciando o caráter de transformação institucional já mencionado. Quando professores, alunos e servidores trabalham integrados, é possível fazer a diferença na comunidade acadêmica e na comunidade local. Nossos projetos focam o desenvolvimento dos participantes enquanto cidadãos, não apenas cidadão locais, mas sim, cidadãos globais, para que possam enriquecer a comunidade acadêmica e a comunidade local”, afirma ele.

“A ARI tem o papel de prospecção de oportunidades, de estabelecer parcerias efetivas”, comenta a assessora do CEFET - MG. Natália concorda com Daniel e afirma que o papel da assessoria vai muito além da promoção de intercâmbios e da mobilidade internacional: “Precisamos definir o porquê de uma parceria ser importante não só para a instituição, como também para a comunidade em que ela está inserida. Este é o papel do ensino, da pesquisa e da extensão”, explica a assessora.

 

Assessoria de Comunicação
Reitoria